História das Modalidades Esportivas


O mais democrático dos esportes, o Atletismo tem como base os movimentos naturais do ser humano: correr, saltar e lançar. Já era praticado desde a Antiguidade, quando registros apontam que no ano 776 aC os gregos, na cidade de Olimpia, disputavam uma prova chamada “Stadium”, com cerca de 200 metros. O vencedor desta prova, Coroebus, é considerado o primeiro campeão olímpico da história.
Atualmente, o Atletismo é dividido em provas de pista (corridas com ou sem obstáculos), provas de campo (saltos, lançamentos e arremessos), marcha atlética, pedestrianismo (corridas de rua e maratona), corridas de montanha e corridas de campo (cross country).
Na história, o Brasil tem grandes nomes no Atletismo, como João Carlos de Oliveira – o João do Pulo, Adhemar Ferreira da Silva e Joaquim Cruz, entre outros. Mais recentemente, Maurren Maggi se tornou a primeira brasileira a ganhar uma medalha de ouro olímpica no Atletismo, escrevendo seu nome entre as grandes da modalidade.

Em nível mundial, o Atletismo apresenta nomes como Jesse Owens, norte-americano que calou o estádio Olímpico de Berlim na Olimpíada de 1936 ao conquistar a medalha de ouro. Na platéia, nada menos que Adolf Hitler assistia à performance do atleta negro.
Entre os grandes nomes ainda estão os norte-americanos Carl Lewis e Michael Johnson, o ucraniano Serguei Bubka, o etíope Abebe Bikila e a russa Yelena Isinbayeva.

 

 O Atletismo também possui provas para pessoas com deficiência, denominado nos Jogos Abertos como Atletismo PCD. Neste caso, os atletas são divididos em categorias, de acordo com o tipo de deficiência apresentado e o grau de comprometimento.
Nas provas de pista para pessoas com deficiência visual existe a figura do guia, que corre junto ao competidor, orientando-o sobre o trajeto a ser seguido. O guia, no entanto, não é premiado com medalha.

 O inverno rigoroso de 1891 na região de Massachusetts (EUA) impedia a prática de esportes ao ar livre. Assim, o professor James Naismith, na época com 30 anos, foi convocado pelo Springfield College, colégio internacional da Associação Cristã de Moços (ACM), para desenvolver uma atividade que pudesse ser praticada pelos alunos durante o período. Nascia o basquete.


Naismith utilizou duas cestas usadas na coleta de pêssego e as pendurou na parede do ginásio para a realização do novo jogo, que hoje é praticado por mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, com mais de 170 países filiados à Federação Internacional de Basquete (Fiba).
No mundo, a modalidade possui duas grandes entidades: a Fiba, que comanda o basquete no mundo, e a NBA, a liga profissional norte-americana, que mantém os princípios do basquete, mas possuem algumas variações nas regras para melhor adaptar-se às suas necessidades.

O Brasil foi duas vezes campeão mundial de basquete masculino, em 1959 e 1963, com uma geração que fez história e contava com nomes como Wlamir Marques, Amauri Passos, Rosa Branca, Algodão, Edson Bispo dos Santos, entre outros. O país voltaria a ter destaque em 1987, com a conquista da medalha de ouro no Pan-Americano de Indianápolis pelo time comandado por Oscar Schmidt e Marcel. Foi a primeira derrota de uma seleção dos Estados Unidos em seu território.

Este resultado e a perda pelos americanos do ouro na Olimpíada de Seul, no ano seguinte, fizeram com que os EUA conseguissem a liberação da participação dos jogadores profissionais nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992. Foi então formado o que é considerado por muitos como o maior time de todos os tempos, o “Dream Team” (Time dos Sonhos), que contava, entre outros com Earvin Magic Johnson, Michael Jordan, Larry Bird, Patrick Ewing e David Robinson.
No feminino, o Brasil foi campeão mundial em 1995, em um time que contava com Paula, Hortência, Janete e Marta, entre outra. A mesma geração conquistou a medalha de prata na Olimpíada de 1996, em Atenas.

Esporte mais popular do mundo, o Futebol ganhou suas características atuais na Inglaterra, quando, em 1863, foi criada a Football Association, que elaborou as regras que ainda hoje são a base para a modalidade. Antes disso, praticas semelhantes foram registradas na China, por volta do ano 2.500 a.C., em Esparta, no século I a.C., e na região hoje ocupada pela Itália, durante a Idade Média.
De acordo com pesquisa realizada pela Fifa, em 2006, aproximadamente 270 milhões de pessoas em todo o mundo estão envolvidas com o Futebol, entre homens, mulheres, jovens e crianças.
A modalidade é regida por 17 regras, que são utilizadas mundialmente. Elas podem sofrer pequenas adaptações para disputas femininas, de crianças ou veteranos.
Chamado de o País do Futebol, o Brasil é considerado a principal potência da modalidade no mundo. Aqui nasceu o maior jogador de todos os tempos, Pelé, também considerado o Atleta do Século. Também fizeram histórias nomes como Garrincha, Didi, Zagallo, Gerson, Rivellino, Zizinho, Romário, Ronaldo, entre uma infinidade de grandes jogadores.

Internacionalmente, são destaques jogadores como os argentinos Diego Maradona e Alfredo Di Stéfano, o alemão Franz Beckenbauer, o holandês Johan Cruyff, o húngaro Ferenc Puskas, o soviético Lev Yashin, entre outros.

Existem duas versões para o surgimento do Futsal. A primeira dá conta que a modalidade teria começado em 1934, em Montevidéu, no Uruguai, com o professor Juan Carlos Ceriani. A segunda aponta para o ano de 1940, por freqüentadores da Associação Cristã de Moços de São Paulo que, com dificuldade para encontrar campos de futebol, passaram a jogar nas quadras de basquete ou hóquei.
As primeiras regras da modalidade surgiram em 1956 e em 1957, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) criou o Conselho Técnico de Assessores de Futebol de Salão para conciliar divergências e dirigir os destinos do futebol de salão no Brasil.
No mundo, o Futsal passou a ganhar destaque em 1969, com a criação da Confederação Sul-Americana de Futebol de Salão (CSAFS). Dois anos depois, foi montada a Federação Internacional de Futebol de Salão (Fifusa). Entre o final da década de 1980 e o início da década de 1990, a modalidade, gradualmente, passou para o comando da Fifa, que, a partir de 1992, organiza mundiais a cada quatro anos.

Entre os maiores jogadores brasileiros da história encontram-se nomes como Jackson, Vander, Manoel Tobias, Falcão, entre outros.

A Ginástica Artística é um conjunto de exercícios que conjugam força, agilidade e elasticidade. As origens da prática levam à Grécia Antiga, onde era usado o termo “Gymnádzein”, que significa “treinar” ou, na definição literal, "exercitar-se nu”. Após séculos sem destaque, a modalidade voltou à tona no século XVIII, quando foram criadas as escolas Alemã (caracterizada por movimentos lentos e rítmicos) e Sueca (à base de aparelhos). Essas escolas foram responsáveis pelo desenvolvimento da modalidade, em especial, o Turnkunst, sistema de exercícios físicos idealizado por Friedrich Ludwig Jahn, a matriz essencial da atual ginástica olímpica.

As provas para os homens são barra fixa, barras paralelas, cavalo com alças, salto sobre a mesa, argolas e solo. Para as mulheres, são exercícios de solo, salto sobre a mesa, paralelas assimétricas e trave de equilíbrio.

No mundo, o grande destaque da modalidade é a romena Nadia Comaneci, que conquistou quatro notas 10 durante os Jogos Olímpicos de Montreal, em 1976, quando tinha 14 anos. Outro grande nome foi a soviética Olga Korbut. No Brasil, a gaúcha Daiane dos Santos e o carioca Diego Hypólito são destaques.

O alemão Karl Schelenz é considerado o criador do Handebol, em 1919, apesar de o jogo ser baseado em outros desportos, praticados na Europa e no Uruguai. No início, os jogos eram disputados em campos de grama, com 11 jogadores em cada time.

Com o passar do tempo, a modalidade sofreu adaptações, passando a ser disputada em ginásios, com sete jogadores formando cada equipe, seu formato atual. A partir de 1966, foi suspensa a realização de Campeonatos Mundiais em campo.

O Handebol tem seu principal centro na Europa, em países como Alemanha, Espanha, Suécia, Dinamarca, entre outros. No Brasil, a modalidade vem se desenvolvendo, principalmente com o apoio de instituições de ensino. Pesquisas, inclusive, registram que o Handebol é o esporte mais praticado em colégios no Estado de São Paulo.

O estilo de luta foi criado em 1822, no Japão, quando um jovem chamado Jigoro Kano fundou o Instituto Kodakan. A técnica da modalidade utiliza os músculos e a velocidade para dominar o oponente. A sua filosofia indica a integração de corpo e mente do judoca.

A competição é disputada uma área quadrada chamada chiai-jô, em que é montado um tatame. Três juízes definem a pontuação do judoca por meio da classificação de cada golpe. O ippon é o golpe perfeito, que define o término da luta. Ele é considerado quando um judoca consegue derrubar o oponente com as costas completamente no tatame ou quando o adversário é imobilizado por 25 segundos.

A graduação dos praticantes obedece a uma escala de faixas com as cores branca, azul, amarela, verde, roxa, marrom e preta. Os judocas faixa-preta podem alcançar uma escala de dez níveis, os chamados “Dan”. Até o 5º Dan, o judoca usa uma faixa preta normal. Do 6º ao 8º Dan, faixa é coral e branca. No 9º e 10º Dan, ela é toda vermelha.

Nos Jogos Abertos, são disputadas lutas masculina e feminina, nas categorias ligeiro, meio-leve, leve, meio-médio, médio, meio-pesado, pesado e absoluto. Serão feitas disputas por equipe e individual.

Em japonês, a palavra Karatê significa “mãos vazias”. Trata-se de uma arte marcial que faz uso de todas as partes do corpo para a autodefesa. Existem registros da utilização da técnica em combates desarmados no Japão antigo e muitas vezes estão envolvidas por lendas.
O Karatê moderno tem sua origem no início do século XX, quando o mestre Gichin Funakoshi, da Sociedade Okinawa de Artes Marciais, foi solicitado pelo Ministério da Educação do Japão a conduzir apresentações da modalidade em Tóquio.
No Brasil, o primeiro grande destaque da modalidade foi Luís Watanabe, que foi campeão mundial em 1972, em Paris. Em 1992, nova conquista, desta vez com Maria Cecília de Almeida, no Japão.
O grau do lutador é indicado por faixas, chamadas “obi”. O aluno começa com a faixa branca e, na seqüência, passa pelas cores amarela, vermelha, laranja, verde, roxa e marrom, até chegar à preta.
A luta é disputada em um tatame de 8 x 8 metros. Há um juiz principal, que fica dentro da área, e outros dois que ficam sentados, que sinalizam pontos ganhos, infrações e competidores fora da área. Os chamados golpes fatais caracterizam o ippon, que corresponde ao nocaute no boxe. Entre eles, destacam-se o chute frontal aplicado na linha da cintura e o golpe de mão fechada ou aberta, no rosto.

A Natação é uma prática utilizada desde os povos da Pré-História para vencer espaços dominados pela água. Pinturas rupestres datadas de até 5.000 a.C. já mostravam pessoas nadando. Como modalidade esportiva, as competições começaram por volta de 1800, na Europa.
Com a evolução da modalidade, atualmente existem quatro estilos de nado utilizados em competições: crawl, costas, peito e borboleta. Há ainda as provas de nado medley, que compreendem a combinação de todos os estilos.

Entre os grandes nomes da história da Natação mundial estão os norte-americanos Johnny Weissmuller, que dominou a modalidade nos anos 20 ao ponto de ser escolhido para interpretar o personagem Tarzan no cinema; e Mark Spitz, dono de sete medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, recorde apenas quebrado em 2008, por outro grande nome do esporte: Michael Phelps. Outro grande nome, aposentado recentemente, é o australiano Ian Thorpe.
Entre os brasileiros, os destaques são Maria Lenk, Ricardo Prado, Gustavo Borges, Fernando Scherer e César Cielo, que conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim na prova dos 50 metros livres.

Nos Jogos Abertos, são disputadas 32 provas (16 no masculino e 16 no feminino) em quatro estilos: livre - geralmente nado crawl, costas, peito e borboleta, além das provas de nado medley.

A Natação também possui provas para pessoas com deficiência, denominado nos Jogos Abertos como Natação PCD. Neste caso, os atletas são divididos em categorias, de acordo com o tipo de deficiência apresentado e o grau de comprometimento. Entre os grandes nomes desta modalidade está o brasileiro Clodoaldo Silva.

O Vôlei foi criado em 1895, pelo norte-americano William G. Morgan, na cidade de Holyoke, Massachusetts. A intenção era desenvolver um jogo menos cansativo fisicamente que o basquete e que pudesse ser praticado por jogadores de mais idade. Morgan, então, colocou uma rede a uma altura de 1,98 metro, sobre a qual era lançada uma câmara de bola de basquete.
A regra do Vôlei é uma das mais dinâmicas existentes, com várias alterações realizadas na busca por maior emoção e competitividade. Atualmente, o jogo é disputado em melhor de cinco sets, sendo que, nos quatro primeiros, vence quem chegar primeiro aos 25 pontos. Em caso de quinto set, ocorre o tie break, com a pontuação até 15 pontos. Nos dois casos, em caso de empate no ponto anterior ao fechamento, vence quem somar dois pontos de vantagem.
Nos Jogos Abertos, a regra possui uma pequena alteração e as partidas são disputadas em melhor de três sets, ou seja, ganha quem atingir dois sets primeiro. Com isso, o tie break é disputado no terceiro set.
Além do Brasil, as principais forças do vôlei mundial são a Itália, Cuba, os Estados Unidos e a Rússia. Nos últimos anos, os países do Leste Europeu, como a Bulgária, também vem apresentando um crescimento importante.